janeiro 18, 2017

A escritora, a mulher

Catia é uma mulher realizada, alcançou muitos dos seus sonhos, porém vive no seu mundo real na maioria do tempo.
Construiu uma linda família, casou-se com o seu primeiro e grande amor. Teve dois belos filhos e sente-se abençoada por vê-los unidos.
É uma pessoa feliz, mas possui uma essência triste e sobre melancolia é que sabe escrever. É questionada por tais sentimentos, porque eles algumas vezes acabam refletindo na pessoa que é.
O seu grande desafio: aprender a lidar com situações mal resolvidas, mas enfrenta de cabeça erguida.
Viveu grandes alegrias, as quais serviram-lhe de combustível, mas viveu também enormes tristezas, que deixaram um vazio imenso, dores quase que insuportáveis.
Leva palavras de conforto e otimismo aos que precisem dela, mas quando se trata dos seus escritos, pende na maioria das vezes pelos sentimentos mais profundos, o que a torna uma pessoa intensa. Quando escreve sobre tristezas, nem sempre são propriamente sobre as suas.
Vem aprendendo com os anos que o passado jamais ficará no passado, sempre estará presente, porque é o tipo de pessoa que jamais esquece o que tenha passado pelo coração.
Algumas vezes consegue seguir caminhos mais leves, tenta ser sutil e engraçada, mas quase nunca é feliz neste tipo de investida. Não tem jeito, cada um é o que é.
Em sumo, Catia é apenas uma menina vaidosa e egoísta, que espera que tudo e todos estejam sempre ao seu alcance, quando e como ela quer. Não é tão humilde quanto gostaria, pois traz desde as raízes, um desejo de ser e ter mais. Vive o "Carpe Diem!", um dia de cada vez, sempre como se fosse o seu primeiro e único.
É egocêntrica e até um pouco narcisista, aprendeu a valorizar-se e entende que pode e deve ser melhor e mais do que a mulher que antes conheceu.
Já escreveu mais 30 livros, na maioria de prosa e poesia, mas tem também os infantis. Já recebeu inúmeros prêmios literários, troféus e diplomas, inclusive "um" internacional.
Preocupa-se com a dor do próximo e não consegue compreender porque existem tantas diferenças sociais e espirituais, já que somos todos feitos da mesma essência.
É uma mulher forte e batalhadora, cheia de encantos, mas também sabe ser cruel quando desafiada.
Catia não é nada diferente de ninguém, é apenas alguém que vive a aprender que sempre haverão chances de mudar tudo o que nos desagrada, se preciso for.
Decidiu há anos que seria uma pessoa feliz, quer seja trilhando sua jornada sozinha ou acompanhada.
Abriu mão de várias convicções e até de alguns sonhos em prol dos que ama,  o mais importante... sem o menor arrependimento.
Possui como todo artista, um desejo nada secreto de ser notada e quem sabe até eternizada. Tem um prazer tamanho pela vida, que em alguns casos, causa até inveja.
É exagerada, compulsiva e acometida de repentes... absurdas introspecções, mas faz parte do mundo dos pensadores, que escrevem e vomitam tudo o que sentem. 
Torce que tenha feito diferença positiva na vida de pelo menos algumas pessoas. O bem da verdade, para ser bem franca, ela é indiferente sobre o que pensam dela, portanto, a amem ou a odeiam, provavelmente pelo mesmo motivo.