setembro 25, 2015

Ode à Eugénio de Andrade

Nenhuma relação profunda é fácil.

O poeta
- O mundo é conduzido por loucos e ambiciosos, que só têm em mira o êxito e o lucro, estão-se nas tintas para as preocupações dos poetas, que são, como toda a gente sabe, seres da utopia, essa utopia sem a qual não há progresso.

- A infância, no poeta, jamais se extingue. Talvez por isso eles sejam tão vulneráveis, os poetas.

- O poeta é incapaz de conter um segredo, acaba sempre por dizer no poema aquilo que queria guardar só para si.

- A sabedoria do poeta é uma segunda inocência.

Palavra
As palavras são a nossa condenação. Com palavras se ama, com palavras se odeia. E, suprema irrisão, ama-se e odeia-se com as mesmas palavras!

Silêncio
O silêncio é a minha maior tentação. As palavras, esse vício ocidental, estão gastas, envelhecidas, envilecidas. Fatigam, exasperam. E mentem, separam, ferem. Também apaziguam, é certo, mas é tão raro! Por cada palavra que chega até nós, ainda quente das entranhas do ser, quanta baba nos escorre em cima a fingir de música suprema! A plenitude do silêncio só os orientais a conhecem.

Dificuldade
Não há caminhos fáceis para quem é responsável. 

Algumas palavras são intraduzíveis, pois o poeta é português de Portugal.