outubro 11, 2015

Biruta

Qualquer semelhança é mera coincidência.

Biruta, você me chama, quem sabe não sou?
Concordo até, um coador, não de por café,
Na posição horizontal.
Quero ser e viver assim, tal qual.
Posto que o vento sopra onde quer.

Coador sem fundo,
Sem ter onde nem o que guardar.
Sem poder jamais estar cheio em si mesmo,
Mas que seja existir para orientar
Alguém que vem de lá, vagando a esmo.

Roberto Diamanso
http://musica.com.br/artistas/roberto-diamanso/m/biruta/letra.html#video