dezembro 16, 2016

Relacionamentos intrínsecos

Para se conhecer bem e poder dizer de boca cheia que se ama uma pessoa, é preciso conviver com ela. É somente no dia a dia, vivendo debaixo do mesmo teto, que realmente podemos entender como ela é de verdade.
Atiram-se ao vento frases prontas como " eu te amo", " não vivo sem você", pois quando apaixonados apenas vemos o que queremos ver, que é o melhor de cada um, mas o todo é infinitamente mais abrangente.
Nenhum de nós é a mesma pessoa, não temos o mesmo humor e emocional o tempo todo, pois experimentamos de instabilidades. Uma vez dividindo a vida, as emoções são misturadas e juntos absorvemos as energias, quer sejam boas ou não. Há momentos em que vivenciamos tamanha insanidade, que chegamos a nos questionar se tomamos a decisão certa.
Só quem está disposto a se doar completamente, quem tem uma paciência gigantesca é que sobrevive. Desentendimentos ocorrem, é fato, mais dia menos dia acontecerá. Haverá sem dúvida desigualdade de opiniões e ambos lutarão com garras e dentes para que o seu próprio ponto de vista prevaleça.
A primeira fase de um relacionamento é sem dúvida a melhor, pois é a da conquista, quando ambos estão plenamente dispostos a aceitar até os defeitos. Depois, porém, vem a fase mais difícil, que é a do amadurecimento da relação, quando nos conhecemos melhor e mesmo não concordando com tudo, ainda decidimos ficar. O problema mora nesta fase, porque muitos de nós encaramos como um desafio, confiando que com o tempo poderemos muda-lo. Muito errado pensar assim, ninguém muda ninguém, somos o que somos, apenas nos adaptamos conforme a conveniência.
Relações são feitas de surpresas, precisamos manter a expectativa de sermos surpreendidos, mas é claro que nenhum de nós espera o pior, embora elas possam bater à nossa porta a qualquer momento.
A verdade é que ninguém dá sem esperar algo de volta,  não é correto a afirmação de que seja possível dar, sempre dar sem receber.
Embora pareça desgastante demais relacionar-se com parceiros, torna-se mais confiável quanto entendemos que vivemos uma inconstância. É experimentando a falta de dinheiro como exemplo, que sabemos absolutamente ninguém é capaz de mantém o bom humor vendo as contas se acumularem. É neste momento que perceberemos se fomos feitos um para o outro, se realmente fazemos juiz os votos do altar, quando em voz alta dissemos palavrinhas mágicas " estaremos juntos na alegria ou na tristeza ". Quando afirmamos perante Deus e perante os convidados, não disfarçamos nossos sentimentos, estávamos mesmo dispostos a encarar os problemas, mesmo não sabendo quais seriam.
Não é fácil, não é simples e não é rápido conhecer uma pessoa totalmente, nem acredito que conheçamos tudo, mas nem que leve uma vida toda, o importante é estarmos certos de que as nossas escolhas foram feitas de livre arbítrio, e precisamos olhar para dentro de nós, percebendo o que realmente pretendemos fazer, quais os passos que pretendemos dar diante de tais dificuldades.
Não existe relacionamento totalmente feliz, faz parte da vida se magoar, em alguns casos até conviver com traições, só depende de como se encara os problemas e se realmente desejamos permanecer nessa relação.
Deixa partir de você toda e qualquer dúvida, não lhe cabe ficar em cima do muro.


do livro Deixa Partir por Catia Garcia