janeiro 31, 2017

Faxina da Alma

Não adianta limpar o meio e deixar de fora os vãos. Vez ou outra até se pode enganar, mostrando a dedicação, mas uma hora terá que parar e fazer uma faxina completa. O perigo mora no que se acumula, independente do que fazemos, e é assim também com o coração. Não adianta limpar as paredes para exibi-lo de forma até graciosa aos desavisados, quando a poeira dos falsos sentimentos fica acumulada. Intimamente percebemos que ele não possui mais a viçosidade desejada.
Quando se decide viver apenas de lembranças, é até confortável, porque assim evitamos o desgaste e desconforto quando temos que tirar tudo do lugar. Mas para dar lugar ao novo, o velho tem que ser descartado. Para nos sentirmos revigorados e dispostos a arriscar novamente em novas e benéficas emoções, as antigas precisam ser extinguidas de vez, afinal já foram exaustivamente vividas.
É difícil, complicado e cansativo, mas a limpeza é exigida e necessária.