março 02, 2017

Atire a primeira pedra

Foi pensando que jamais ia te perder, que eu te perdi... mas foi querendo sempre te querer, que aprendi.
Escrevi este trecho pensando nas pessoas tristes que eu encontro neste meu convívio diário.
É muito fácil apontar os erros dos outros quando não se tem espelho em casa. Tiramos assim a responsabilidade de nossas costas, mas acabamos nos tornando vítimas de nossa falta de responsabilidade.
Tudo bem que nem todos os casos são iguais, cada um conhece suas próprias experiências e mais do que nunca sabe o quanto lhe custa sobreviver dentro de conflitos, mas o fato é que ninguém erra sozinho e sempre há um motivo, quer aceitemos ou não.
Desencontros fazem parte, nem tudo são flores nesse nosso protótipo de jardim do Eden. Amar é complicado, requer destreza, discernimento e até certo ponto certeza do que realmente se quer.
O dom da paciência é extremamente necessário, saber a importância do companheirismo e da amizade. Nos relacionamento desse imediatismo moderno, muitos não estão dispostos a abrir mão de praticamente nada, sentem-se soberanos em suas verdades. Querem que tudo seja do seu jeito e no seu tempo. Acusam demais e deixam de fazer a sua própria avaliação.
(do livro em andamento Deixa Partir)