março 10, 2017

Bruxa, revelar-se ou esconder-se

Embora não estejamos mais vivendo no tempo da Inquisição, até nos dias de hoje bruxas são vistas com olhos desconfiados e temerosos.
A não ser os amigos, pessoas do nosso mais íntimo convívio, quase que ninguém sabe realmente o significado do título. Não fazem ideia do quanto é abrangente.
Por culpa da divulgação comercial da imagem, desde pequenos aprendemos a temer bruxas. Histórias dos contos de fada nos mostravam desde sempre o quão elas poderiam ser más e assustadoras. Com o passar do tempo, outras bruxinhas do bem foram aparecendo em seriados de televisão e até em desenhos animados, o que sem dúvida ajudou muito.
Na vida real ser bruxa não é tão fácil, mas também nem tão complicado. O mais importante é sentir-se segura e confiante do seu papel na sociedade, decidir-se por quais práticas fará uso, decidir-se como se apresentará diante do mundo, pois saiba que ele não a receberá de braços abertos, pelo menos não no primeiro instante.
Você pode seguir dois caminhos distintos, um deles é ser uma bruxa invisível, aquela que pratica as suas magias, que faz os seus feitiços, que tem todo o seu material mágico em casa, mas ninguém sabe, ninguém vê, é guardado a sete chaves. E pode ser aquela que se mostra ao mundo de uma forma mais desinibida e confiante. Não precisa se vestir de preto e pendurar um pentagrama no pescoço, pode ser mais discreta. É claro que a imagem construída de si mesmo é única e intransferível e cada uma decidirá a que lhe for mais confortável.
O maior problema que encontramos no caminho é sem dúvida a ignorância, pois com ela vem o preconceito, o medo, a dúvida e a desconfiança. As pessoas temem e criticam o que não conhecem, ao invés de buscarem conhecimento.


Uma vez expostas, estaremos sujeitas a perturbações de ordem física e emocional, religiosa e política. Poderá ser barrada em lugares que jamais imaginou, por quem nunca pensou fosse fazê-lo. Se decidir-se por mostrar-se ao mundo, que seja então de uma forma tranquila, sem a necessidade de chocar as pessoas.
Lembre-se que quando buscou mais conhecimento, já aceitou o chamado da deusa, e a partir desse ponto,  já estava até sendo preparada para uma reentrada no mundo dos mortais. Independente da sua escolha daqui para frente, o seu papel é levar luz e amor ao mundo, é fazer pessoas cada vez mais felizes e jamais deixar que as ameacem. Mostrem para que vieram e exijam que ao invés do medo, que tenham respeito e confiança.
Nem todos vão desejar ser amigo de uma bruxa, mas com certeza todos saberão onde procura-la no momento de precisão. Terminantemente não viemos para fazer amigos, mas para sermos uma ponte, ajudando as pessoas atravessarem para o outro lado com segurança.
blessed Life – Salobah
(adquira os livros digitais místicos da autora - https://lojacatiagarcia.blogspot.com.br/)