março 24, 2017

Muito prazer, sou bruxa Salobah

Meu marido um dia me disse que eu não era uma escritora e sim uma descritora, pois eu não inventava as histórias, eu apenas definia o que tinha vivido. Isso me incomodou muito e então, busquei maior conhecimento, li diversos autores e acabei amadurecendo na arte de escrever.
A inspiração me é oferecida o tempo todo, quer esteja acordada ou dormindo, eu apenas faço anotações sempre que me é possível. Às vezes me vem em mente um título sem um texto determinado, às vezes um texto sem um título, coisas que acontecem com uma mente que nunca descansa, mas tudo eu deixo anotado em rascunhos para que com o tempo, eu passe a limpo e traga para um dos livros que tenho.
Escrever é minha vocação, quer seja relatando ou inventando, de qualquer forma, vivo inspirada, é mesmo um presente que me acompanha a vida toda. Nos meus livros místicos poderão acompanhar muito do que experimentei neste mundo mágico, invisível, muitos são fatos reais.
Não tenho a sabedoria que gostaria para entender todas as experiências, então, eu as relato para que possa deixar registrado, sem que com o tempo, eu venha esquecer delas, pois foram na sua totalidade, muito importantes para mim. Há muito que desconhecemos e não é porque não vemos que não está lá.
Talvez haja questionamento sobre minhas crenças, mas elas me fazem quem eu sou, me dão coragem e me transformam de uma forma acolhedora. Assim me sinto feliz e realizada e espero que se não tudo que vierem a ler, alguns dos textos possam aguçar sua curiosidade e fazê-los também a buscar maior conhecimento.
Este meu caminho me deu a chance de ter paz, de olhar para o próximo como gostaria que olhassem para mim. Carrego a certeza de que fiz a escolha certa e espero que vocês também tenham feito vindo ler este livro.
Agradeço pela oportunidade que tenho ao recebê-los, agradeço pela cumplicidade da minha família, que sempre respeitou minhas escolhas e eu agradeço aos deuses por terem me recebido de uma forma tão terna e terem me feito optar pela magia.
Recebi o meu próprio chamado e atendi, experimentei sensações inimagináveis. Algumas vezes temi, noutras vibrei, tudo por não ter ainda a sabedoria necessária. Porém, o mundo é uma caixinha de surpresas, algumas são boas outras não, cabe a cada um de nós, tirar maior proveito delas.
Que a luz divina possa acompanha-los e saibam que independente da religião que tenham escolhido, Deus é um só e ele vive em todas as moradas.



O texto acima é a introdução do livro