maio 09, 2017

O melhor ainda é o caminho

Uma boa imagem, nem sempre revela uma boa pessoa.
Para que possamos confiar nas possibilidades, que são infinitas, não podemos definir parâmetros concretos logo de cara, fazer julgamento precoce, já que não se vive de aparências.
Nos deixamos conquistar pelo belo e generoso, porque nos mostra o que queremos ver, facilidades. Tudo que parece fácil demais precisa ser visto como duvidoso; um pé atrás nos faz questionar e assim ter tempo para avaliar melhor cada conteúdo.
Uma boa primeira impressão de certo que já é meio caminho andado, mas onde nos levará? É óbvio que em sã consciência ninguém dispensaria dicas para resumir, atalhos para chegar mais rápido. Mas não será o caminho já conhecido como tortuoso o mais seguro?
Cabe lembrar que a trilha acidentada, embora nos atrase, faz com que pisemos com mais cuidado, prestando mais atenção. Se em todos os caminhos houvessem apenas flores, nos dispersaríamos, admirando-as.
As pessoas confiáveis não são apenas aquelas que pudemos avaliar, talvez as melhores ainda estejam distantes. Talvez seja um tanto complicado chegar até elas, mas são os tais caminhos mais longos que nos ajudarão alcança-las.
Com o desconfiômetro ligado nos protegemos, vacilamos com a dúvida e deixamos de nos entregar de cara, evitando assim desilusões desnecessárias.
Quem não sai por ai acreditando em tudo e em todos o tempo todo, são até rotulados de pessimistas, mal humorados, mas são apenas realistas tentando sobreviver num mundo de desavisados.
Quando atrasamos a chegada, passamos mais tempo pensando nos prós e nos contras e então poderemos confiar de verdade na nossa decisão final. Cuidados extras não são perdas de tempo, ao contrário, pois ganhamos experiência e sabedoria com a determinação.

do livro em andamento Encantamentos Místicos