junho 29, 2017

Seleção natural

É a seleção que nos proporciona segurança; se não prezarmos pela qualidade, ficamos expostos exageradamente. É preciso escolher quem e o que pode nos oferecer o esperado. Peneirando, é que separamos o joio do trigo, que descartamos o inconveniente.
Somos altamente capacitados a oferecer qualidade de sentimentos, contanto que ele seja entendido e bem aceito, proveitoso. Nenhum de nós encontrou o coração no lixo, ele é valioso e deve ser tratado com respeito e carinho.
Oferecer o melhor de nós é natural, até fácil, porém, as emoções, os sentimentos compartilhados precisam ser absorvidos no seu total conteúdo. Amar é dar, mas receber também.
Somos vistos como pessoas egoístas e arrogantes quando deixamos de aceitar um relacionamento qualquer, mas se considerarmos inadequado, temos a total liberdade de recusá-lo. Há uma infinidade de opções que nos chegam de graça, mas sabemos que tudo tem seu preço. Se decidirmos pagar por ele, não haverá quem tenha autoridade necessária para nos questionar.
Não é tudo que a primeira vista, parecendo promissor, realmente o é, o nosso discernimento é que considera o viável.
O que aos olhos de uns apresenta-se como adequado, aos  nossos olhos experientes, totalmente desnecessário.  Por conta de aceitarmos qualquer coisa, demonstramos carência da nossa parte e assim nos maltratamos e passamos a viver uma subsistência emocional. 
Quem se mantém acordado, aprende na raça a reconhecer entre as boas das más chances. Só se descobre se as nossas escolhas foram acertadas, conforme o andar da carruagem.
Aquele que decide-se pelo óbvio, pelo mais fácil, pelo que está mais a mão, termina por colecionar troféus sem quaisquer valores.
São as nossas escolhas que definem o nosso "feeling" e ele só pode ser considerado de qualidade quando não nos arrependemos.

do livro em andamento Histórias de nossas vidas.