junho 24, 2017

Viver sem medo

Como é bom termos novas chances, a de reencontrar, reviver, refazer e reinventar-se. Nos sentimos confiantes e audaciosos, certos de que desta vez não cometeremos erros.
Os mesmos erros não, com certeza, mas continuaremos a errar, como erramos ontem, hoje e erraremos amanhã. Não são apenas de acertos que se vive uma vida, porém, o fato de já termos vivido experiências anteriores, facilita-nos a jornada de descobertas.
Sabendo onde mora o perigo, o evitamos. Entendendo as nossas vulnerabilidades, nos precavemos; difícil mesmo é abandonar antigos sentimentos, ignorá-los.
Embora tenhamos aprendido com as nossas deficiências, ainda estamos propensos a cometer deslizes. Quem vive intensamente, quem permite absorver o conteúdo por completo, optando pela bagagem que vai carregar, é quem certamente ainda sofrerá com decepções, porque afinal nunca mudamos como realmente precisamos mudar.
Uma nova chance requer uma nova pessoa, um novo pensamento, mesmo que o sentimento seja o mesmo, mas podemos deixá-lo fluir de forma não tão comprometedora. Somente quem vive a intensidade de cada momento, é que entende a proporção emocional que causa. Não dá para deixar de ouvir o coração, ele sempre fala mais alto do que a razão.
Para agarrar a nova chance, é preciso que tenhamos garras afiadas, como unhas e dentes, mas ter a leveza de quem já se machucou e não deseja mais nenhum ferimento. 

do livro em andamento Histórias de nossas vidas