julho 29, 2017

Colhendo conquistas

Manter as mãos ocupadas, faz sossegar o coração. Nada como trabalhar, para assim espantar os males. A cabeça jamais para, mas nos distraímos e deixamos de nos lamentar pelo que ainda não alcançamos. Nada vem fácil, mas até que poderia, nem que fosse de vez em quando.
O poder do nosso pensamento é poderoso, mas ele não move montanhas, apenas faz com que admiremos tamanha formosura, que a natureza nos dá de graça.
Se pudéssemos viver apenas da satisfação espiritual, nos sentiríamos mais confortáveis, mas somos apegados ao material, ao que podemos tocar, cabe-nos em parte a conformidade.
Todos os que trabalham afinco, com determinação e confiança, são promissores, candidatos à altura para receber presentes para sua satisfação, mas o cansaço dos anos nos faz desanimar.
Não esperamos que todos os nossos sonhos sejam realizados, nem teria como, já que vivemos de sonhar e alguns deles são realmente impossíveis, mas que pelo menos alguns deles pudessem ser desfrutados.
Na terra onde pisamos, há cuidado e dedicação. Semeamos para colhermos depois e quando não acontece, chegamos a conclusão de que não foi por falta de esforços, mas talvez a terra é que não seja boa ou nós ainda inexperientes nesse cultivo.


do livro em andamento Histórias de nossas vidas