julho 10, 2017

Erros e acertos do amor

Levamos conosco tudo aquilo que sentimos, quer tenha sido duradouro ou não; sentimentos não desaparecem e nem podem ser substituídos.
Quando ouve-se falar que amor virá ódio, diz-se errado, porque  o amor compartilhado sempre continuará existindo; as mágoas e o rancor só parecem substituí-lo.
Somos sim, capazes de odiar, mas é só um sentimento acrescentado, o colocamos em cima, para assim fingirmos que o primeiro não mais exista.
As pessoas são muito diferentes umas das outras, o que para uns é muito valioso, para outros pouco significa. A superioridade nos apresentada quando somos ignorados, é só arrogância e demonstração de fraqueza.
Aquele que ama de verdade, é aquele que aceita sentir o amor num todo, sem medo de ressentimentos. Relacionamentos são desfeitos por falta de respeito, por falta de carinho, e eles são mais do que necessários. É a forma como enxergamos o outro, que nos distingue uns dos outros.
Quando magoamos uma pessoa que nos é de grande estima, magoamos ainda mais a nós mesmos, mas há quem seja imune a tal dor e saiba superar uma separação, até de uma forma tranquila.
Muitas vezes escolhemos palavras erradas ao nos expressarmos, escolhemos caminhos perigosos e por eles precisamos andar por um longo tempo. Apesar da conscientização do nosso erro, pouco podemos fazer para remediar a situação, já que o sentimento de desprezo que recebemos nos limita e não encontramos um novo jeito de seguir em frente.
O que inadvertidamente deixamos de perceber, é que nem todo relacionamento vai durar para sempre, alguns deles foram feitos para durar apenas a eternidade do momento.
Se houver culpa, ela deve ser absolvida, mas não pelo outro e sim por nós mesmos. Quando aprendemos a nos perdoar, entendemos o tamanho da nossa insignificância, vista por outros olhos.
Podemos não sermos tanto quanto gostaríamos, mas ainda somos por demais importantes para nós, pois somos a pessoa que está sempre em maior evidência. Se não mais pudermos fazer o outro feliz, que nos façamos felizes, nem que seja escolhendo outras formas, outras pessoas para amar. 


do livro em andamento Histórias de nossas vidas