agosto 10, 2017

Anjos caídos

Houve um tempo na minha vida, em que eu sentia necessidade de um certo preenchimento espiritual, já era casada e tinha dois filhos pequenos.
Eu tinha também uma vizinha que vendia estátuas iluminadas de anjos da guarda e eu me encantei por eles, comprei dela várias peças, devido a formosura.
Numa tarde eu resolvi montar um altar, colocando-os lado a lado, mas como eu desejava fazer orações, acender velas e incensos, optei pela lavanderia, assim não impregnaria a casa com a fumaça. Me lembro que estava cheia de boas intenções, mas passado um tempo, senti cheiro de queimado e corri para ver. A vela havia caído e incendiado a toalha da mesa, inclusive derretido todas as imagens. Corremos um sério risco de acidente mais grave, de pegar fogo na casa, caso eu não estivesse presente.
Me desencantei, percebi que eu não tinha feito uma boa escolha, não de local e nem de imagens. Não senti que as imagens dos anjos me trariam o preenchimento esperado e então desisti deles e joguei tudo fora.